Numa época em que o espírito familiar está mais presente devemos aproveitar para cuidar melhor da forma como convivemos e tornar o ambiente mais elegante.

Algumas práticas que revelam falta de educação e grosseria têm vindo a tornar-se habituais em alguns meios. O comportamento das crianças é apenas o reflexo dos ensinamentos e dos exemplos dados pelos adultos.

Dizia Cervantes “O sangue herda-se, a virtude adquire-se”. Na realidade, ninguém nasce com uma educação esmerada. Nem todos têm a sorte de ter pais que saibam transmitir as regras mais básicas da educação e da civilidade. Se a nossa educação é fruto dos valores que nos são transmitidos também o é principalmente daqueles que procuramos.

A elegância não nasce connosco. Aprende-se e desenvolve-se.

A mesa é provavelmente o local onde mais se revela o nosso nível de educação.

Recordo aqui alguns comportamentos que devemos transmitir às crianças quando estamos à mesa:

A televisão deve estar sempre desligada. A música pode tornar o ambiente mais agradável, mas a escolha deve incidir sobre música tranquila e de preferência instrumental, por exemplo standards de jazz. Rádio, principalmente nas estações comerciais com a estridência dos anúncios, está fora de questão.

Os telemóveis, tablets e quaisquer outros aparelhos são deixados sem som e fora da mesa. Durante as refeições não se fala ao telefone e nunca se coloca este tipo de aparelhos em cima da mesa.

Os homens só se sentam depois das senhoras. O mesmo acontece com as crianças. Apenas as de tenra idade são colocadas nos lugares primeiramente.

Os guardanapos, sejam de pano ou de papel, são colocados no colo logo que a dona da casa o faz, no restaurante logo que a pessoa se sente. Depois de começarem a ser usados só voltam à mesa no final da refeição. Se a pessoa tiver que se ausentar da mesa por instantes coloca o guardanapo no assento da cadeira.

Os guardanapos devem ser manuseados nas pontas dos dedos e usados sempre antes e depois de beber.

A posição à mesa deve ser com o tronco na vertical e os braços junto ao tronco.

Os cotovelos não devem tocar a mesa. Em circunstância alguma se levam à boca os talheres ou copos com os cotovelos na mesa. Em descanso os braços pousam na mesa a meio do antebraço.

Ninguém começa a comer sem que toda a gente esteja servida.

Os talheres e o copo vão à boca. Nunca o contrário.

Os copos seguram-se pelo pé. Ao ser servido não se levanta o copo. Também não se tapa quando não se pretende ser servido.

Mastigar de boca aberta, falar enquanto se mastiga, fazer barulho a comer ou a beber e soprar a comida são comportamentos inaceitáveis.

Palitar os dentes em público é um gesto repugnante. Se for necessário retirar resíduos da boca faz-se em privado, na casa de banho, onde deve existir um recipiente com palitos para esse efeito.

Uma refeição deve ser muito mais que um momento para comer e beber, deve consistir num ritual de convívio distinto e elegante.

Um Natal elegante para todos são os meus votos.

Manuel Pereira de Melo