Diversidade cultural, o grande desafio de uma carreira

Diversidade tem o sentido de diferença e heterogeneidade e ninguém deve ser discriminado pela sua nacionalidade, raça, cor, etnia, credo, condição sócio-económica, ideologia ou qualquer outra característica.

Manifesta-se de múltiplas formas, nomeadamente na forma de pensar, falar e comportar. O conceito de diversidade incorpora o respeito e aceitação da riqueza das particularidades de cada indivíduo.

O fenómeno da globalização tem vindo a promover um progressivo contacto com culturas muito diversas que apresentam valores e padrões de comportamento também muito diferentes. Muitos desses preceitos envolvem grande rigor e especificidade como é o caso dos asiáticos. Também os muçulmanos nomeadamente árabes têm padrões de comportamento muito próprios. Mesmo dentro da Europa são vastíssimas as diferenças de valores e suas manifestações.

Essa diversidade pode criar confusão, dificuldade e resistência.

Os portugueses, muito descontraídos nestas questões, devem ser especialmente cautelosos.

Conhecer as principais características das diferentes culturas permite-nos um melhor desempenho. Quem exerce actividades que exijam lidar com clientes internacionais enfrenta desafios excepcionais. Independentemente das funções, devem ter as competências para reconhecer, valorizar e respeitar as diferenças culturais. Consoante as funções exercidas, um conhecimento mais exaustivo poderá ser necessário.

Ainda que prevaleçam os costumes e o protocolo do país de presença, ao receber visitantes de outras nacionalidades devemos ter a sensibilidade cultural e a flexibilidade necessária para evitar choques culturais, respeitar os seus costumes e ter procedimentos de aproximação cultural para que se sintam compreendidos e confortáveis. Os profissionais de turismo e da hotelaria em geral têm uma responsabilidade alargada porque transmitem a imagem de um país e de toda uma população.

Os gestores e outros profissionais cujas empresas tenham presença ou pretendam expandir-se nos mercados internacionais têm que se preparar particularmente pois devem ter um conhecimento profundo das culturas e dos padrões de comportamento, mas também das formas específicas de negociar de cada mercado.

Numa era em que o mercado de trabalho se tornou global e cada vez mais os jovens se deslocam e apostam em carreiras internacionais, a sua preparação prévia e especialmente cuidada para as dificuldades e especificidades do mercado internacional será determinante para o sucesso de uma carreira.

Manuel Pereira de Melo